Como enfrentar caras na faculdade

Oi pessoal, preciso desabafar

2020.09.07 04:46 CraftedBot Oi pessoal, preciso desabafar

Oi pessoal, sei que o grupo não é muito ativo e que ninguém aqui deve se importar comigo. Mas aconteceu algo muito pesado comigo essa semana e esse grupo é o único lugar em que eu sinto que posso desabafar e ser ouvido sem que me julguem. Eu e minha namorada namoramos há quase dois anos e em todo esse tempo quando ficamos juntos é na minha casa ou em qualquer outro lugar, exceto a casa dela. O pai dela me despreza. A primeira vez que nos conhecemos ele foi legal e simpático, até que perguntou o que eu fazia da vida. Estudo ciências sociais na USP, quando eu disse isso ele fechou a cara na hora e mudou de assunto. A família deles é bem humilde, o pai dela tem um barzinho/restaurante onde toda a família trabalha, exceto minha namorada, que é a filha mais nova e foi a “escolhida” pra ser “alguém na vida”, então o pai dela é bastante protetor. Depois da revelação de minha carreira acadêmica a janta mudou, a conversa continuou em outros assuntos, mas eu fui completamente excluído dela, a única pessoa que tentava me trazer pro assunto era minha namorada, mas a mãe o pai e os irmãos dela me ignoravam completamente. Quando cheguei em casa ela me mandou uma mensagem dizendo que o pai dela tinha mandado ela terminar comigo, falando que eu era vagabundo, não prestava e ia só atrapalhar na vida dela. Ela cursa direito e pra família dela eu sou um peso que ela vai ter que sustentar. Isso foi no primeiro mês de namoro, eu estava completamente apaixonado por ela (e ainda estou) e disposto a enfrentar qualquer adversidade para que o nosso namoro seguisse. O único dia que o restaurante deles não abre é domingo, então fui lá logo na outra semana pra resolver qualquer desentendido. Quando cheguei a família toda estava vendo Faustão, inclusive as namoradas dos irmãos e ninguém quis conversa comigo, sequer levantaram do sofá para me cumprimentar. Não quis atrapalhar o programa então eu e minha namorada fomos para o quarto esperar uma situação mais propícia para o diálogo. Mal havíamos fechado a porta e vem o pai dela batendo com tudo na porta e escancarando ela (ele não é alto, mas é daqueles carecas gordinhos com cara de brabo que quando vestem regata, bermuda e havaianas ficam parecem um botijão gigante.) ele começa a gritar que não queria porta fechada nem vadiagem na casa dele e deu um discurso cheio de indiretas me chamando de vagabundo e praticamente me expulsando da casa deles. Não fui embora. Ficamos estudando e de quando em quando o pai ou um dos irmãos ia ver o que estávamos fazendo. Diversas situações similares foram acontecendo até que decidimos que era melhor desistir e evitar a família dela. Fomos assim por mais de um ano. Nesse tempo eu fui estudando mais sobre o agronegócio e a indústria da carne e decidi virar vegetariano em junho do ano passado. Conversamos bastante sobre isso e ela sempre foi muito interessada, até que semana retrasada ela decidiu virar vegetariana também. Ela, é claro, não contou pra família dela porque medo de que iriam surtar, mas convenci ela que se abrir pra eles seria a melhor coisa, que eles iriam entender e que eu poderia ir com ela. Esse foi meu erro. Ela achou legal de fazer a revelação no restaurante da família, servindo um prato vegetariano pra mostrar que é fácil e possível. Como eu já disse, o restaurante é bem simples, o buffet é basicamente arroz, feijão, batata frita, bife e umas saladinhas (por saladinhas entenda alface, tomate e de quando em quando salada de batata). Quando saímos da faculdade fiz questão de pedir um Uber pra gente chegar no restaurante mais rápido enquanto o pai dela não tá no horário de descanso (ele dorme numa rede nos fundos do bar). Chegamos lá perto da uma da tarde. Era quarta feira e o lugar estava bastante movimentado. O irmão dela, que fica no caixa, deu um sorriso quando entramos, mas desfez logo que viu que a irmã trouxe o namorado. Minha namorada vai pro caixa falar com o irmão dela e diz pra eu já ir me servindo e procurar um lugar. Eu to bastante nervoso e me arrependendo desde que vi a cara que o irmão fez ao me ver, mas me sirvo mesmo assim. Já estou com o prato servido e vou até ela, agora atrás do caixa falando com o pai e com a mãe, paro, os pais dela me olham, meu sogro com a cara fechada sequer acena com a cabeça pra mim. Minha namorada faz um sinal com a mão me chamando. Vou até ela, ficando desconfortavelmente próximo do pai dela. Ela pega a minha mão, eu fico segurando o prato com uma só e diz: “Eu decidi virar vegetariana”. Ela sequer havia terminado a frase, bastou o pai dela ouvir “virar vegetariana” que ele virou a cabeça com uma velocidade descomunal em minha direção, mas ele não olhou pra mim, como eu pensei que faria, estava olhando pro meu prato. Arroz, feijão, alface, batata frita e nada de carne. Eu olho pro prato também percebendo agora meu erro e quando ergo a vista ele me encara com aqueles olhos furiosos. Não fui capaz de absorver inteiramente o quanto de ódio existiam naqueles olhos, porque ele deu um tapa no meu prato de baixo pra cima, sujando minha camiseta azul celeste do Carl Sagan de feijão e interrompendo qualquer raciocínio que corria pela minha mente. O prato estraçalhou no chão e antes que o quebrar do vidro pudesse irromper pelo restaurante e o burburinho dos clientes fizesse perceber-se silenciado meu sogro já estava gritando. “TU FEZ ISSO COM ELA!” “ESTRAGOU MINHA FILHA!” ele me dá um empurrão contra o balcão, minha namorada recua assustada, eu tento sair pelo lado, mas ele bloqueia o caminho, minha namorada chorando tenta segurar ele, mas minha sogra a segura mais forte. “VAI JOGAR NO LIXO O ESFORÇO DA MINHA VIDA TODA! SEU MARGINAL!” Eu tava bem passivo até que ele falou isso, ele não sabe quem eu sou, só tem preconceitos contra mim. Não sabe o quanto eu amo a filha dele e o quanto só quero o melhor pra ela. Eu já tinha tentado expressar isso no diálogo, agora ia ser na porrada, sem palavras, só sangue. Dou um empurrão com toda minha força e na fresta de tempo que abre eu pulo o balcão pra ter mais espaço para brigar, já enquanto pulava vejo uns tiozinhos numa mesa, sob ela uma litrão de Skol que eu penso em usar como arma. Pulo o balcão, pego a garrafa, enquanto isso ele veio dando a volta no balcão que nem um touro pra me pegar. Segurando a garrafa pela boca eu bato ela na mesa, o vidro se quebra e eu ergo a ponta estraçalhada e afiada diante de mim, pronto para defender minha honra e a de minha amada daquele botijão colossal. Com a garrafa diante de mim e a criatura se aproximando eu olho por um instante para o vidro amarelado que seguro em minhas mãos. Vejo, no reflexo, a entrada do restaurante atrás de mim, e passando rápido pela rua o que parecia ser uma aeronave pequena não tripulada, logo atrás uma espécie de exoesqueleto metálico armado com uma metralhadora, de repente, um estrondo ensurdecedor seguido de um clarão. Era o início da era das máquinas.
submitted by CraftedBot to copypastabr [link] [comments]


2020.08.19 01:04 zxy33 cartucho do kefka [assustadormacarrão br]

cartucho do kefka [assustadormacarrão br]
Olá, brasil!
Meu nome é L., tenho 28 anos, sou professor de matemática em uma escola particular. Moro numa cidade do interior de SP, perto de Campinas. Aqui não tem muita coisa, não é uma cidade mais ou menos grande nem nada do tipo. É, de certa forma, até pacata. Mas estamos sofrendo com a pandemia, como todo mundo. Fico de cara quando vejo galera abrindo bar, escola, tudo, pensando que tá tudo controlado. Tá morrendo gente, sei lá, muito deprimente viver nessa sociedade. Mas hoje eu não vim falar disso. Vim falar de uma coisa que rolou comigo, envolvendo um cartucho usado de Final Fantasy III que comprei por um aplicativo. Vou me referir a esse cartucho como “cartucho do kefka”.
Nos anos 90 havia muitas locadoras de vídeo e jogos, e eu sempre gostava de alugar fitas de Super Nintendo, que foi meu primeiro videogame. Faz muito tempo que essas locadoras deixaram de existir, e as que continuam existindo não alugam mais jogos. Mas eu gosto de videogames antigos, então comecei uma coleção particular minha, para relembrar os velhos tempos.
Sou um gamer razoavelmente experiente, já joguei muitos jogos e sei sobre glitches e romhacks. Também já tive acesso a muitas creepypastas sobre videogames, então é difícil alguma coisa me surpreender. Até gosto de ver aquelas creepypastas do Pokémon Black, do Zelda do Ben, etc, etc, etc. Mas no fundo eu sei que é tudo forçação de barra, imaginação e artimanhas de romhack e photoshop. Mas eu curto pela estética. São coisas que realmente me tocam, então vejo quase como uma forma de arte. Mas isso que aconteceu recentemente eu não sei explicar, e por isso quero compartilhar a história com vocês. Esse é meu relato de como eu encontrei um cartucho maldito de final fantasy 6, o “cartucho do kefka”.
Tudo começou quando eu estava procurando por um cartucho de FF6 na internet. Já que aqui na minha cidade é difícil achar por meios “tradicionais” (leia-se: anuncios no facebook), fui buscar num aplicativo de coisas usadas. No ocidente, esse jogo saiu como Final Fantasy III, e, para a minha surpresa, não foi tão difícil assim achar os cartuchos, até por um preço bem baixo. Achei inclusive um na minha própria cidade! Quem vendia era um tal de Lucas.
Frente do cartucho, reparem em como o rótulo tá solto
Como vocês podem ver nessa foto que tirei do cartucho assim que chegou, o rótulo estava solto. Talvez o ex-dono tenha imprimido um novo e colado por cima do velho? Não fiz questão de saber. Confesso que nem fiz muita conta, porque esses jogos antigos as vezes são mal guardados mesmo, e pra mim, sinceramente, o que importa é o jogo funcionar. Mesmo assim, eu tentei mandar mensagem para o vendedor. Só que, depois de umas horas, quando ia ver se ele tinha respondido, sempre aparecia essa tela:
https://preview.redd.it/7nq5dmwqauh51.jpg?width=1275&format=pjpg&auto=webp&s=cc6581d7ede4b99816dce6a4d559da58a045262f
Comecei a ficar encafifado. Quer dizer, o cara apagou a mensagem? Mas como que ele apagou pra mim também? Deve ter sido um erro do site, qualquer coisa do tipo, então fiquei tentando. Mas sempre acontecia a mesma coisa. Pensei em ir atrás do anunciante, procurar número de celular dele, mas no fim fiquei com preguiça. Sei lá, coisa boba, e não ia mudar nada na minha vida. Já tinha pagado barato demais pelo cartucho.
O meu SNES não é o mesmo que eu tinha quando era criança, porque aquele original eu dei prum primo meu quando ganhei um Playstation. O videogame que eu tenho é um que consegui num bem-bolado quando eu tava na faculdade. Tinha um colega meu que tava se desfazendo de umas coisas e ele tinha esse super nintendo empoeirado com problema no cabo de energia. Eu peguei de graça dele, comprei um cabo novo, limpei e tá funcionando como novo. Jogo sempre nele, nunca deu problema com cartucho.
Quer dizer, nunca tinha dado...
Eu nunca fui muito bom de Final Fantasy, na verdade. Gosto de jogar, mas sempre que termino fico com a sensação de que perdi alguma coisa importante. Quando vejo outras pessoas jogando, percebo que nem sei usar os itens direito. Sou n00b demais. Mas gosto da série, então sempre jogo. O FF6 (ou III) eu já tinha jogado em emulador, nem fazia tanto tempo. Mas jogar no videogame de verdade é outra história. Não tem save state, não tem mamata, se der erro, paciência.
Pensando nisso, a primeira coisa que eu costumo testar nesses jogos é o salvamento, quando disponível. É comum cartuchos antigos estarem com a bateria gasta e não salvarem. Daí eu troco a bateria antes de começar a jogar, pra garantir. Bobo eu não sou.
Quando liguei pela primeira vez o jogo eu tava amarradão, nossa, finalmente vou jogar FF6 numa TV de Tubo, do jeito certo, como foi feito pra ser jogado. Animal demais. Quando entrei na primeira tela do jogo, uma coisa me chamou atençaõ: já tinha um savegame registrado nele. A party era: Strago, Terra, Edgar e... Kefka??
Pra quem não sabe: o Kefka é o vilão do jogo. Mas, pra dar uma imersão maior na história, os desenvolvedores às vezes colocavam o Kefka na party momentaneamente pra poder fazer umas cutscenes, mas a gente nunca joga realmente com ele, então é impossível salvar com ele na equipe. Mas sei lá, galera pira demais nesses jogos antigos, talvez o cara que estivesse jogando antes de mim tivesse explorado algum glitch do jogo, sei lá. O problema é que ao tentar carregar, dava erro, sempre. O jogo ficava com a tela preta e não iniciava. Soprei a fita, dei aquela limpada, e nada. Pra garantir que não era defeito do cartucho, eu tentei iniciar um jogo novo e funcionou bem, não deu problema. Inclusive eu consegui salvar. Mas, por algum motivo estranho, eu não queria salvar por cima daquele save do kefka. Eu sempre salvava nos outros slots.
Fui jogando e curtindo o jogo, aprendendo uma coisa ou outra de nova. Passei semanas jogando sem ter qualquer intercorrência. Mas foi nessa última semana que rolou algo bizarríssimo, que tá me incomodando até agora, embora racionalmente eu esteja tentando explicar pra mim mesmo o que rolou e veja tudo como uma infeliz coincidência.
O que aconteceu: eu já tava avançado no jogo, naquela quest em que a gente vai pra dentro da cabeça do Cyan e relembra a história dele e tem que enfrentar o Wrexsoul. Bicho maldito, lembro que quando joguei pela primeira vez demorei pra conseguir passar dessa parte, mas isso porque eu sou ruim mesmo. Dessa vez não foi muito diferente, eu tive que resetar o console várias e várias vezes até derrotar o monstro. Quando finalmente consegui, fiquei tão maluco com a vitória que, na hora que eu fui salvar, sem querer eu apertei por cima do save do kefka.
Cara, sério, eu não sei como eu fui tão rápido, mas assim que apertei o botão, automaticamente minha mão puxou o controle com tanta força, e tão rápido, que eu arranquei o videogame da tomada com a TV e tudo. Foi um ato de desespero, um negócio que nem eu sei explicar direito. Sabe quando a gente tem um reflexo tão instantâneo que a gente nem pensa pra fazer, e só faz? Pois é, foi tipo isso. Eu talvez tenha dado um berro quando puxei o controle. Talvez. Bom, o que aconteceu foi que eu arranquei tudo da tomada: videogame, TV, tudo. Fiquei com o * na mão pensando que eu tinha danificado o videogame ou a televisão, então eu tava meio que tremendo de nervoso quando repluguei na tomada.
A TV parecia OK. O videogame parecia inteiro. Eu juro que senti um cheiro estranho de queimado, mas deve ser coisa da minha cabeça, porque logo apssou. Pus o cartucho e liguei. O jogo funcionou, mas aí no meu save eu tava antes de enfrentar o Wrexsoul, e ia ter que passar por aquele inferno de novo, e de novo, e de novo. Por curiosidade, uma dessas curiosidades mórbidas, esquisitas, eu tentei carregar o save do Kefka, antes de retomar a frustração de dentro da cabeça do Cyan. Mas dessa vez o save entrou.
A party era: Strago, Terra, Edgar e Kefka. Mas, como esperado, o char do kefka era todo bugado. Os stats mostravam só ?????? em tudo, não dava pra equipar nada nele, não dava pra usar item nem magia nele. Ele só tava lá, com 0/0 de HP. Mas não aparecia como morto nem desmaiado, só tava lá ocupando espaço. Nesse save, os nomes estavam mudados: Strago era DEAD, Terra era MARI, Edgar era LUCAS e o Kefka era KEFKA mesmo (porque não dava pra mudar, acho). Na hora eu lembrei que, durante a minha adolescência, num barzinho de heavy metal aqui da minha cidade, tinha um figura chamado Lucas, cujo apelido era Morto. Fiquei “nossa, será que esse jogo era dele? Nunca mais soube desse cara, cidade pequena é isso mesmo”... Mas passou, e tanto faz.
No jogo, eles estavam perto de enfrentar o boss final (o próprio Kefka). Os itens até que eram bons, acho, porque não tive nenhuma dificuldade em ir ganhando as batalhas no castelo final. Quem quer que estivesse jogando, tava fazendo um bom trabalho, sabia o que tava fazendo.
Aí eu percebi uma coisa estranha: o kefka da party tava com o nome normal de kefka, mas o kefka vilão, o do jogo, o que eu ia enfrentar mesmo, tava com o nome FATHER. Daí eu não lembrava direito se isso acontecia no jogo mesmo, porque FF sempre tem umas reviravoltas, mas pelo que li nos guias, isso não deveria acontecer. Quando chegou na parte final, em que a gente enfrenta os vários estágios do Kefka, tem aquele esqueminha pra gente “escalar” a party com os reservas, caso algum dos nossos personagens morra durante a batalha. Só que, dessa vez, não tinha nenhum outro personagem disponível. Só os 4. Estranho, né? Quer dizer, mesmo se a gente NÃO usar outros personagens, necessariamente vai ter mais alguns dispon´vieis, porque a gente necessariamente tem que encontrá-los no decorrer do jogo.
(EDIÇÃO ANTES DE PUBLICAR: Enquanto eu estava escrevendo esse texto, comecei a sentir umas coisas estranhas. Eu nunca fui uma pessoa com "coração forte". Como vocês puderam notar anteriormente, eu escrevo razoavelmente bem, de maneira inteligível. No entanto, a partir do parágrafo abaixo, eu comecei a me sentir muito mal, uma queda repentina de pressão, talvez por nervoso ao lembrar de certos assuntos e certas cenas que ficarão claras mais abaixo. Eu não quis corrigir os erros de digitação, pois acredito que eles servem para expressar um pouco do meu nervosismo, essa coisa que queima por dentro ao mesmo tempo que parece um monte de agulha sendo enfiada no olho da minha alma. É uma maneira que encontrei de materializar algo ruim. Peço que, se você for uma pessoa sensível, especialmente com assuntos envolvendo família/doenças/suicídio, pare agora de ler o texto.)
Enquanto escrevo, confesso rpa vocês que estou meio nervoso. Essa parte mexeu comigo, entao a se sair em alguns erros de digitação eu na,ame não quero corrigir porque eu to muito tenso escreverndo esmsm e acho que deixar do jeito que sair e´n u ma maneira de retrarar como isso mexe comigo.
-[
EU tava no estágio final, pra quem não sabe o Kefka é difivido em várioas partes. Tem a parte dos pe´s, depois o corpo, depisi a cabeça. É tudo meio grotesca, a arte do jogo, umas formas juntas, um monte de forma humana amalgamada., sei lá,, coisa que só os jogos napkenses comseguem efazer, tipo o vilão lao do Erathborunf que galera vala que vê até um feto, coisa insintira. Bizarro demais.
Mas blz, é jogo, de boas. E eu até consegui andmininstar mbe a batalha, cheguei no final com uma oa fantavvamem vangatage
Vang
Vantagem
E depois de um tempo derorrei o kfefa.
Mas car,a eu não lembrava que a morte dele era tão lenta, e tão sofrida. No diálogo fina, ficava aparecendo:
FATHER: ..................FATHER: ..................
FATHER: ..................
Enquanto ele definhava. Mano, era horrível, aquela musiquinha sinistra de fundo, parecia que tinha uma sonda do inferno dentro do meu cérebro me cuturabcdo, mas ao mesmo tempo era uma muscia épica, zunindo na TV de tubo. Uma sensação incômoda demais. Eu sozinho em casa, coisa ruim, mau agouro, credo.
Pois é, daí o jogo devia acabar, ia ter aquela cutscene fantástica de todo mundo indo embora na nave, etc. Mas não foi isso que aconteceu.
Lembram que eu disse que tinha o DEAD (Strago) na party? Então. Depois que o Kefka (ou FATHER) morreu, ficou só a party, como se fosse rolar um diálogo, ainda dentro da tela de batalha. Daí acotneceu uma dessas cenas em que o computador escolhe as magias e itens pra vc, pra fazer alguma coisa dramática. Mas tb não era uma coisa que eu me lmebrava de ter acontecido no jogo original.
Aparecia a animação de todo mundo (menos o kefka0 de sair da batalha correndo. Mas de repente todo mundo parava e voltava. O cursor vai pra cima do Strago (DEAD) e vai em Magic. Dentro de Magic, dá pra ver que ele ta com 9999 de MP. Dai o cursor escolhe FLARE, que é a magia mais forte de fogo (eu acho...). Só que depois disso o cursor fica em cima do proprio strago e aciiona o Flare. Vem o Flare, dá MUITO dano no strago mas ele não morre. Dai ele repete, e solta outro Flare, e dá mais um monte de dano. Depois idsso, ele escohe as magias mais fortes de gelo, ar e raio, e solta sobre ele mesmo, dando tudo 9999 de dano, mas ele não morre. Fica com 0 de HP, contnuan dando dano , mas ele não morre.
No final a animação dele muda praquela que ele tá cabisbaixo, a tela vai ficando em fade out, aparece mais um diálogo:
FATHER: ................
FATHER: …………….
FATHER: …………….
E fica essa caixa de diálogo. Tento apertar de tudo, e nada funciona. Fica travado. O jogo fica nessa.
Reseto, e da primeira vez o jogo nem carrega. Da segunda vez, o jogo entra na tela inicial mas não consigo carregar nenhum save (nem os meus).
Fiquei perturbado, e por uns três dias nem toquei mais no nintendo. Fiquei incomodado e perturbado por causa de uma coincidência: recentemente meu pai teve um câncer no cérebro e infelizmente morreu. Foram dias terríveis. Foi a primeira vez que eu fui a uma UTI, isso em plena pandemia, e foi pra ver meu pai careca, costurado e babando. Todos os momentos que a gente passou junto, mesmo nossa relação nunca tendo sido a melhor, tava resumida ali naquele catarro escorrendo da boca dele, enquanto ele tava inerte, sem conseguir falar, sei lá sentindo ou pensando em quê. Isso mexe com qualquer um. Ver no jogo aquela coisa deformada com o nome de FATHER, e depois ver o Strago tentando se suicidar mexeu bastante comigo. Coisa que eu preciso conversar seriamente com meu terapeuta. Foi uma coincidência, mas me deixou perturbado. Não tenho conseguido dormir. Eu sonho com o kefka, com aquela coisa horrível, com o suicidio mal sucedido do strago, com o wrexsoul de dentro da cabeça do Cyan que eu nunca vou derrotar. Isso tudo mexe demais comigo e por isso eu quis compartilhar com vocês. Um pouco antes de escrever esse relato, eu tentei jogar de novo pra ver se aparecia alguma coisa. O que apareceu na tela foi isso:
...
Pois en~toa eu decidi me livrar do cartucho. Criei uma conta com dados falsos no mesmo aplicativo e anunciei o cartucho, com o mesmo rótulo mal colocado. Três pessoas vieram falar comigo, aqui mesmo da minha cidade. Vou vender para quem pagar mais caro.
Aqui na minha cidade nem tem uma cena tão forte assim de retrogaming, então de certa forma saí no lucro ao achar tão rpaido gente pra me leivirar do cartucho.
Isso tudo que eu relatei aconteceu nas últimas 5 semanas. Eu preciso falar com meu terapeuta.
submitted by zxy33 to brasil [link] [comments]


2020.07.27 02:33 RealityCompetitive24 Como se relacionar amorosamente sendo jovens e com a vida muito instável

(Conta throw away pois meu namorado me segue na minha conta principal)
Gente primeiramente queria dizer que essa é uma questão minha que trato na terapia tem um tempo, mas também queria saber a opinião de vocês.
Estou em um relacionamento de 9 meses com um menino que amo muito e gosto do nosso namoro em vários aspectos. Porém tem um problema que pesa bastante pra gente: estamos em momentos da vida muito diferentes e sentimos dificuldade em conciliar nossos objetivos individuais com os objetivos de casal, tanto ele como eu.
Eu nasci em uma cidade x do nordeste e faço faculdade e estagio numa cidade y do sudeste. Antes da pandemia, voltava geralmente 2x pra minha cidade natal ver amigos e familia. Atualmente estou temporariamente na casa dos meus pais na minha cidade x, trabalhando em homeoffice e com aulas ead, vim pra cá bem no inicio da pandemia. Assim que minhas aulas ou o estagio voltarem, pretendo regressar a cidade y.
Meu namorado é da minha cidade x e mora com a mãe. Apesar de frequentarmos um ciclo social próximo, nós nos conhecemos a distância quando eu estava na cidade y. Nosso namoro começou quando ele resolveu viajar pra me conhecer na cidade y. Desde então, revezamos nossos encontros... ele passa um mes comigo la, nas minhas ferias volto pra minha cidade (sim haja dinheiro pra passagem risos). Porém a distância sempre foi um problema pra nós e sempre que tentamos fazer planos para ficarmos definitivamente juntos no futuro, algo no presente acaba não saindo como o esperado.
Estamos passando a pandemia juntos na casa da minha mae desde que cheguei em março, esta sendo o maior tempo que já passamos juntos. No inicio do relacionamento ele tinha planos de morar comigo na cidade y. E no inicio estava tudo certo, porem ele começou a enfrentar alguns problemas familiares que o fez começar a considerar outras possibilidades.
Para ele se mudar pra cidade y, precisa de apoio financeiro da familia e isso está completamente fora de questão agora. Eu também sinceramente não queria voltar a minha cidade natal e gostaria de fazer minha vida na cidade y, pois tambem tenho muitos problemas na minha família e nao gosto da minha cidade natal, apesar de suporta-la. Eu tenho meu dinheiro, mas também dependo da minha família financeiramente em alguns aspectos... tenho sonhos de aqui a algum tempo fazer um intercambio também. Já estou perto de me formar e sinceramente nao sei bem o que vou fazer depois disso, estava pensando em arranjar um outro trampo na cidade y e tentar me manter financeiramente por lá (inclusive estou fazendo varias entrevistas pra tentar mudar de estagio)... mas tudo isso depende de circunstancias externas, se eu nao conseguir um emprego talvez precise voltar para a cidade x.
Nós ja nos abrimos e conversamos bastante sobre isso e nao conseguimos um consenso sobre o nosso futuro como casal... parece que os caminhos e quereres estão divergindo demais. Porém, nos amamos e temos um sentimento forte um pelo outro e ai que fode tudo, principalmente pra mim.
O x da questao é: A ideia de um término é insuportável pra mim. Mesmo que ele não precise ser agora, a minha mente acaba antecipando esse evento e eu me sinto triste. Nós já conversamos sobre isso abertamente e deixamos como possibilidade no futuro. Mas é simplesmente uma ideia que me da um nó gigante na garganta. É algo tipo "Não quero terminar com voce de jeito nenhum mas as circunstâncias externas não estão ajudando e não estou conseguindo enxergar outras saídas a muito longo prazo." Eu sei que talvez pareça besteira, eu me sinto muito besta inclusive. Mas é uma questão muito delicada pra mim. Só de pensar as lágrimas começam a cair. Estamos dispostos a fazer tudo o possivel dentro de um limite pra que a relação dure, mas só a vontade e o amor não são suficientes, dependemos de outras circunstancias.
Esse não é o primeiro relacionamento que tive, mas é o primeiro que tenho na fase adulta e mais concreto. Eu nunca tive um relacionamento que durasse mais de um ano, mas os terminos ate entao foram por questoes pessoais minhas e não por circunstâncias externas. Sinceramente, nao sei muito bem como fazer as relações durarem nesse sentido e me pego pensando como é dificil se relacionar, principalmente no inicio da fase jovem adulta.
Enfim é isso gente, em suma: tenho muita dificuldade de lidar com essas incertezas no relaciomento e com as frustrações dos meus planos de vida a 2, mas a ideia de terminar o relacionamento também é assustadora pra mim... parece que estou aproveitando o tempo que tenho com ele pra deixar a vida definir nossos destinos, mas essa ideia do termino é um monstrinho que fica assolando minha mente e me faz ficar triste.
Eu cheguei a um ponto que ele nota que fico triste sempre que ele fala do futuro dele sem me incluir. Dai ele me pergunta se ta tudo bem e se eu quero conversar com ele... e eu nego e explico que nao tem o que conversar pois ja conversamos sobre o assunto... Pq cara o que vou fazer sabe? O que eu vou falar? Entendo que é um sentimento que tenho que lidar sozinha, mas sinceramente não sei como.
submitted by RealityCompetitive24 to desabafos [link] [comments]


2019.11.11 21:13 S_O_S_pensante O significado dos sonhos

Bom, eu acredito muito que os sonhos tem um certo significado e nesta noite eu sonhei com o meu ex e não liguei, mas hoje eu vi coisas que não me agradaram muito, mesmo eu não tendo mais nenhum contato com ele. Agora ele está num intercâmbio e ele me incentivou a criar um perfil nesta plataforma... Bom, eu queria que ele estivesse aqui comigo porque ele era uma ótima pessoa mesmo com todos os problemas que passamos juntos e tivemos de enfrentar. Eu ainda gosto muito dele, mas nunca desabafei isso para meus amigos, isto ainda está guardado comigo. Para piorar, eu não consigo me comunicar com ele, pois ele me bloqueou em TODAS as redes sociais, sem ao menos se importar comigo. Já se passaram 3 meses e este sentimento de amor ainda está em mim.
Uma frase que me marcou muito, até hoje, foi dele dizendo que o que ele sentia por mim era admiração, não amor...isso me machucou muito, até hoje. Para ele, eu sei que tanto faz...
Eu queria muito que ele soubesse o que eu estou passando nesses meses que ele está fora... Poder compartilhar todas as dificuldades, problemas e situações. Eu pude ficar com algumas pessoas que de cara pareciam ser muito legais divertidas e maravilhosas, mas depois fui descobrindo o que eu sempre prevejo... A pessoa ser boa contigo no início e depois se mostrar quem realmente é, e com meu ex foi totalmente diferente, ele sabe disso. Meu, agora tá tocando "Hold on - Shawn Mendes" e eu não sei lidar com isso...

Meu ex sempre dava conselhos sem ao menos saber e isso me fazia muito bem. Nesses tempos, pude conhecer muita gente falsa, muita gente que fingia ser meu amigo, aquelas que se aproximaram por interesse e eu pude perceber tudo com o tempo. Com nenhuma das pessoas que eu fiquei, foi tão agradável quanto meu ex... sério... A gente fazia tudo juntos: cozinhava, viajava, assistia filmes, videos no youtube, séries, dormia, e até mesmo momentos só eu e ele que ficávamos conversando, um olhando para o outro.

Mas tudo isso acabou e eu não sei de mais nada. Minha vontade é de sair da faculdade, pois eu me mudei para cá por conta da faculdade, e voltar para a minha cidade ou então transferir de faculdade e poder morar em outro lugar. Mas também acredito que nada acontece por acaso. Será que iremos voltar algum dia? Será que ele vai falar comigo quando voltar do intercâmbio? Será que ele vai me desbloquear das redes sociais? Será que eu vou ser um obstáculo na vida dele? Será que vamos pelo menos ficar? Tudo o que fazíamos era maravilhoso, eu não tenho o que reclamar, mas me chateia muito. Eu entendo a parte dele me bloquear em tudo, sim! Mas eu espero que tudo volte a ser como antes quando ele retornar para a cidade.

Não sei se o problema foi a gente ter começado a namorar depois de 15 dias se conhecendo, ou se ele é ex do meu ex e eu sou ex do ex dele, não sei se me entendem... Mas é muito foda tudo isso, sabe?! Ele é o namorado que eu sempre desejei na minha vida, nunca encontrei uma pessoa tão especial, eu sempre dizia isso a ele sobre ser especial na minha vida. Eu nunca comprei nada para meus ficantes/namorado ou algo do tipo e para ele eu dei presente de páscoa, e nos conhecemos no mês de abril.

Não sei o que fazer, ninguém me faz esquecer o ex... Ele é uma pessoa que eu queria estar sempre junto, diferente de outros que eu me enjoô... Mas acredito que esse tempo longe irá contribuir de alguma forma, que eu ainda nem sei, mas só o tempo para dizer tudo isso...

Fora isso, os problemas são com meus amigos que estão péssimos e estão indo embora da cidade, retornando para a cidade natal de cada um... Realmente, este ano de 2019 está acabando com todo mundo... Se eu pudesse voltar no tempo e mudar alguma coisa, seria fazer algo para continuarmos juntos... Mas não deu...

Esse semestre está sendo muito ruim para mim... Espero um dia dizer "Adeus, cidade onde estou"
submitted by S_O_S_pensante to u/S_O_S_pensante [link] [comments]


2019.03.13 03:56 AnotherDude_1447 Aniversário

Faltam alguns minutos para o meu aniversário enquanto escrevo isso e estou naquela correria de após fazer a jornada para o trabalho fazendo praticamente a mesma volta para faculdade tarde da noite. Estou cansado, fazendo 22 anos e estou cansado da forma que precisamos lidar para ter uma vida mais próximo da "felicidade" possível que acredito que seja tendo o mínimo de preocupações no futuro (falando monetariamente) pois aquela conversa de que "dinheiro não trás felicidade" é verdade. Mas ainda assim INFELIZMENTE no mundo que vivemos, quero dizer que o meio adotado economicamente pela sociedade nos faz enfrentar cada coisa no dia a dia, que nos deixa tão tristes por enxergar a realidade como ela é. Tanto egoísmo, tanta falta pra uns, batalha feroz para outros e escuridão total dentro de sua bolha inocente e egoísta para outros.
Ao perceber a crua e cruel realidade de se viver(minha nossa como é difícil viver!!) eu nunca fui do mesmo jeito, sinto falta do ensino médio. Entendo por completo a um bom tempo o que nossa família e pessoas mais velhas nos diziam quando mais novos... Aproveita.... O tempo passa cara e o maldito capitalismo em forma de gasto com locomoção, estudos, comida, casa, fucking diversao e entretenimento no pouco tempo que tens aparece como um SOCO na sua cara ou como um grande amigo meu dizia no ensino médio, um SOCO NO CU!
Gostaria de escrever muito mais, mas estou com muito sono, não estou dormindo bem a uns dias.
Só resto dizer que apesar de tudo, viver é maravilhoso... O pouco tempo que nos resta após as responsabilidades (escrevendo esse palavra quase chorando) para nos entreter, divertir sendo com aquele seu game favorito ou tomando umas e usando drogas com amigos, vale a pena... É o que faz valer a pena.
Aderi uma frase a uns anos, "Enjoy the little things", penso nela bastante no dia a dia...
Desculpe pelo português, obrigado a quem leu , viva ao Reddit e a música, seria muito mais difícil sem.
Orange Juice - Falling and Laughing e Kyuss - ...And the circus leave town(album) sao as músicas que me acompanham da sua melhor forma esse dia.
EDIT: músicas
submitted by AnotherDude_1447 to desabafos [link] [comments]


2018.05.29 19:03 BibocaDiagonal [Desabafo] Estou perdendo a vontade de jogar...

TL/DR: Os games fizeram parte da minha vida, desde a minha infância. Jogar sempre foi o meu hobby principal. Mas ultimamente parece que a vontade/paciência de jogar acabou diminuindo consideravelmente, e eu não sei direito o que fazer.
Na infância eu costumava jogar em console, mas depois de precisar comprar um notebook melhor pra faculdade, decidi dar uma chance pros jogos de PC. No começo, eu estava resistindo muito à mudança. Criticava a falta de praticidade de jogar no PC (no console é só ligar e jogar, no PC tem que ver se roda, testar configurações, fechar outros programas, etc), apanhei muito pra me acostumar com o mouse+teclado depois de quase uma década usando controles... Mas acabei finalmente aderindo às jogatinas no PC. Inclusive, eu meio que "mudei de time", pois os preços e as promoções de jogos de PC são muito melhores que os de console (fora o fato de eu poder jogar online sem pagar). Ou seja, hoje em dia eu considero o console como um investimento altíssimo, o que no momento não é pra mim.
Enfim, comprei meus joguinhos na steam, joguei bastante, aproveitei muitas promoções (como muitos, comprei alguns jogos que nem acabei jogando direito). Mas a vontade de jogar acabou passando, sabe. Minha paciência pra jogos diminuiu bastante.
Outro dia eu fui testar o MGSV, e só aquele prólogo de uma hora de duração já foi meio maçante, pra mim. Mas como ele mal teve gameplay, resolvi continuar e jogar a primeira missão. Eu estava sozinho, e precisava me infiltrar naquela cidade lá pra resgatar meu parça. Eu achei aquele mapa grande demais, fiquei morrendo de preguiça de vasculhar ele por completo pra liberar as side quests daquela missão, e eu tava com pouquíssima paciência pra jogar direitinho no stealth. Sério: depois que eu passei (silenciosamente) pelos outposts e cheguei na cidade principal, eu simplesmente saí correndo que nem um retardado, até o local do objetivo (até porque meu silenciador já tinha acabado, então qualquer tiro que eu desse chamaria a atenção dos inimigos). Quando eu resgatei o cara, eu até tentei enfrentar os inimigos, mas acabei morrendo rapidamente. Resolvi tocar o foda-se e simplesmente saí correndo com o cara nas costas. Foi a coisa mais ridícula que eu já fiz num jogo, mas pelo menos deu pra fechar aquela missão. Bizarro eu me sentir assim com esse jogo, já que anos atrás, quando eu conheci o Splinter Cell Blacklist, eu tive orgasmos nerds com aquele jogo (que parece um pouco com MGSV, em questão de gameplay).
Recentemente eu testei o The Witcher 3. Jogo lindo demais, dublagem maravilhosa. Mas eu acabei demorando pra pegar os controles (e nem aprendi tão bem assim, pra ser sincero), e sei lá, acho que tinha informação/cutscene demais naquele comecinho. Não que isso tenha sido um problema tão grande, já que pouco tempo depois de eu ter saído do tutorial, meu notebook sobreaqueceu e desligou. Eu não quero me frustrar com isso novamente, então não vou jogar mais esse jogo no meu notebook atual.
(Eu não estou querendo desmerecer esses jogos maravilhosos, e sim ressaltar a minha falta de paciência para jogá-los)
Inclusive, há muito tempo eu penso em comprar um PC melhor, pra eu poder aproveitar bem esses jogos mais pesados. Mas se eu realmente estou sem paciência pra jogá-los, será que realmente vale a pena comprar um PC novo? E quanto à jogos novos? Far Cry 5 parece ser um jogo bem divertido, mas será que eu teria paciência de jogar ele até o fim?
Ultimamente eu tenho jogado alguns jogos mais leves e "arcades", a maioria indies. E eles têm me entretido razoavelmente. Mas sei lá, parece que não é a mesma coisa. É triste isso, porque se o meu maior hobby não consegue mais me entreter, o que que eu faço da minha vida?
submitted by BibocaDiagonal to gamesEcultura [link] [comments]


2018.04.27 00:11 ssantorini Quem foi Elliot Rodger, o patrono dos incels?

Trechos da Wikipédia sobre Elliot Rodger, o perpretador do Massacre de Isla Vista (23 de maio de 2014). Ele é frequentemente tratado como o "herói" e "patrono" dos incels nos fóruns e espaços onde eles congregam.
...
Elliot Rodger, de 22 anos, foi confirmado como o autor dos assassinatos. Ele nasceu em Londres, Inglaterra, e mudou-se para os Estados Unidos com 5 anos de idade. Seu pai, Peter Rodger, trabalhava na indústria cinematográfica, tendo sido assistente de direção em The Hunger Games, de 2012. Sua mãe, Li Chin, tinha ascendência chinesa, e sua avó, Soumaya Akaaboune, foi atriz. Seu avô paterno foi George Rodger, fotojornalista britânico
De acordo com a família, Elliot foi diagnosticado com uma síndrome de Asperger "altamente funcional", e sofreu bullying quando criança. Ele levava uma vida de luxo, viajando na primeira classe em aviões e possuindo carros caros. Um amigo revelou que Elliot frequentava um fórum de fisiculturismo, e que frequentemente culpava as mulheres por ser sempre rejeitado. Vários membros do fórum tentaram ajudá-lo, mas ele sempre se recusou a admitir que seu comportamento era o verdadeiro culpado pela rejeição e que ele não sabia como abordar mulheres, sempre colocando nelas a culpa pelos seus insucessos. Elliot foi advertido várias vezes por mensagens ofensivas, e acabou sendo ignorado pela maioria. Eram frequentes suas postagens de ódio contra as mulheres de uma forma geral, junto com mensagens exaltando suas próprias qualidades.
Durante meses antes dos assassinatos, Elliot escreveu um manifesto de 140 páginas intitulado "Meu Mundo Torturado", onde falava da rejeição que sofria pelas mulheres e reclamava por ainda ser virgem aos 22 anos, e nunca ter conseguido uma namorada mesmo após ter entrado na faculdade. Ele também falava de seus planos e do "Dia da Retaliação". Este manifesto foi publicado na internet, e Elliot o enviou por email para seu psicólogo e para sua mãe.
Exatamente 13 minutos antes do tiroteio começar, o psicólogo ligou para Chin Rodger, mãe de Elliot, para alertá-la do email que acabara de receber. Ela relatou que, após ler as primeiras linhas do manifesto, sentiu que havia algo errado, e checou o canal do YouTube do filho, onde encontrou um vídeo intitulado "Dia da Retaliação". Elliot possuía contas no Facebook, no YouTube e num blog, onde expressava sentimentos de rejeição e solidão. No dia do massacre, ele publicou o vídeo em sua conta do YouTube, onde aparece sentado ao volante de um carro falando sobre suas motivações:
Oi, aqui é Elliot Rodger. Bem, este é meu último vídeo. Tudo convergiu para isto. Amanhã é o dia da retaliação, o dia em que terei minha vingança contra a humanidade, contra todos vocês. Pelos últimos oito anos de minha vida, desde que atingi a puberdade, fui forçado a enfrentar uma existência de solidão, rejeição e desejos negados, tudo porque as meninas nunca se sentiram atraídas por mim. Elas deram seu afeto, sexo e amor a outros homens, nunca a mim. Tenho 22 anos de idade e ainda sou virgem, nunca beijei uma menina. E durante a faculdade, dois anos e meio, talvez um pouco mais, eu ainda continuo virgem. Tem sido muito torturante. A faculdade é quando todos experimentam essas coisas de sexo, diversão e prazer. Nesses anos, apodreci na solidão, não é justo.
Vocês meninas nunca se sentiram atraídas por mim. Eu não sei por que vocês meninas não se sentem atraídas por mim, mas vou punir todas vocês por isso. É uma injustiça, um crime, porque eu não sei o que vocês não vêem em mim. Eu sou o cara perfeito, e mesmo assim vocês correm para esses caras desagradáveis ao invés de mim, o mais perfeito cavalheiro. Vou puni-las todas por isso.
No dia da retribuição, vou entrar na casa de fraternidade mais agitada da universidade e vou matar cada uma das vagabundas dissimuladas e frescas que eu encontrar lá. Todas essas meninas que eu desejei tanto. Todas elas me rejeitaram e me olharam como um homem inferior sempre que eu tentei algo com elas, enquanto se atiravam nos braços dos brutamontes. Terei grande prazer em assassinar cada uma de vocês. Vocês verão que eu sou, de fato, o mais superior de todos os machos alfa. Sim, após matar todas as meninas da fraternidade, vou seguir pelas ruas de Isla Vista e matar todas as pessoas que eu encontrar pelo caminho. Todos os caras populares que vivem suas vidas de prazer hedonista enquanto eu apodrecia na solidão durante todos esses anos. Eles sempre me rejeitaram, todas as vezes que eu quis me juntar a eles, e me trataram como um rato.
Bem, hoje eu serei um deus comparado a vocês, que serão todos animais, e eu vou matar vocês como animais. Serei um deus e minha retribuição virá para todos aqueles que a merecem, aqueles que viveram uma vida melhor que a minha. Os caras populares nunca me aceitaram e agora pagarão por isso. Meninas, tudo o que eu quis foi amar e ser amado por vocês. Eu queria ter uma namorada. Eu queria sexo, amor, afeto e adoração. Vocês acham que eu não mereço vocês. Este é um crime que eu nunca perdoarei. Se eu não posso ter vocês, meninas, vou destruir vocês. Vocês me negaram uma vida feliz e em troca eu vou negar a vida a vocês, é justo. Eu odeio todas vocês.
A humanidade é uma espécie nojenta, miserável e depravada. Se eu tivesse poder suficiente, reduziria cada um de vocês a pilhas de crânios e rios de sangue. Vocês merecem ser aniquilados e eu darei isso a vocês. Vocês nunca mostraram piedade comigo, e eu não lhes mostrarei nenhuma. Vocês me forçaram a sofrer a vida inteira, agora eu os farei sofrer. Esperei muito tempo por isso, vou lhes dar exatamente o que vocês merecem, todos vocês. Todas as meninas que me rejeitaram, me esnobaram, me trataram como lixo enquanto caíam nos braços de outros caras. E todos os caras que viveram uma vida melhor que a minha, e todos os sexualmente ativos. Eu odeio vocês. Eu odeio todos vocês. Mal posso esperar para lhes dar exatamente o que vocês merecem, a morte.
Ao ver o vídeo, a mãe de Elliot ligou para o pai dele e para a polícia, e eles marcaram um encontro para conversarem imediatamente. Enquanto o pai e a mãe dirigiam à toda velocidade para Isla Vista, prevendo o pior, ouviram no rádio a notícia de um tiroteio que se iniciara na cidade, e ligaram novamente para o psicólogo. Ele disse que não acreditava ser Elliot, uma vez que ele definira que os assassinatos seriam no dia seguinte, e ele costumava seguir rigorosamente seus detalhes. Ao chegar na delegacia, entretanto, confirmaram que o assassino era, de fato, seu filho Elliot.
Os assassinatos começaram no apartamento de Elliot, onde seus três companheiros de quarto foram encontrados mortos, esfaqueados. Seguiram-se tiros em 8 diferentes locais, começando pela sede de uma fraternidade do campus, onde duas pessoas foram mortas e uma terceira foi ferida. Elliot então dirigiu seu carro até o Deli Mart – um mercado na cidade – e matou outro estudante. Ele continuou atirando em pedestres que passavam pela calçada. Testemunhas relataram um carro correndo pelas ruas, às vezes pela contramão, com o motorista atirando para todos os lados. Testemunhas relataram também que Elliot conversou com algumas de suas vítimas antes de matá-las.
submitted by ssantorini to brasilivre [link] [comments]


2018.01.04 05:17 Prismatta Como vencer a timidez transformou meu 2017

NL/NL: Como um fracassado solitário e extremamente tímido se tornou apenas um fracassado.
DISCLAIMER: Experiencia anedótica, pessoal, funcionou para mim, talvez não funcione para você mas se eu puder ajudar alguém, quem for, vale a pena.
Segundo, se você tem fobia social, ou pelo menos suspeita de "algo maior" que apenas timidez, procure a ajuda profissional, não há nada errado em pedir ajuda
CONTEXTO: Guri sem amigos, sem namorada/vida amorosa, acabado de terminar o ensino médio, passava meus dias trancafiado em meu quarto, em completa solidão, e muitas vezes por dias sem uma interação social fora do meu circulo familiar. Vejo-me no buraco e com uma vaga na faculdade, em um curso onde o QI (quem indica) é essencial, preste a começar, decido que é hora de sair desse poço.
O QUE EU FIZ
ACEITAR-ME: Antes de começar a externalizar mudança, você tem que mudar o interior, e antes de ser amigo de qualquer pessoa, primeiramente você tem que ser amigo de si próprio, AUTO ESTIMA é a palavra chave, se você não tiver uma relação boa com si próprio e se aceitar, você não vai pra frente amigo. "Mas como eu faço isso?", bom isso é com você, o que eu fiz foi aceitar quem eu era, e que tava no fundo do poço, aceitar as coisas que eu gosto de fazer, meus defeitos e problemas, minha personalidade e quem eu sou, além de tirar o pensamento que as pessoas estão me julgando 24/7, entrei para academia pois não estava feliz com meu corpo (sub-peso) e a partir dai comecei a trabalhar minha auto-estima. É um trabalho árduo e lento, mas é o pilar de uma vida equilibrada.
LEITURA: Parabéns, estava mais confiante em si mas a timidez ainda estava lá, persistia e me arrastava para baixo num poço de frustração, "o que eu vou fazer?", pensei eu, quando me veio a "brilhante" ideia de ler sobre o assunto. De antemão, antecipo que sou um avido leitor e entusiasta de estratégia, então já tinha conhecimento de Sun Tzu, Musashi e do "deus" Maquiavel e outros autores do gênero, foi quando eu conheci livros que aprofundavam no comportamento humano e estruturas das relações interpessoais, não quero me alongar mas devo dizer que o livro de Dale Carnegie "How to Win Friends And Influence People" é uma jóia rara no meio desse gênero, junto com Maquiavel é leitura obrigatória, Não é um livro de auto-ajuda como o titulo dá a entender, mas é foi guia que eu levo até hoje, se quiser se aprofundar mais, há livros muito bons em behaviorismo e autores como Robert Greene sobre o assunto, porém são leituras mais densas.
PRÁTICA: Aqui é o divisor de águas, eu tinha a auto-estima (em construção) necessária e a teoria, mas como colocar isso em prática? Qual é a melhor maneira de fazer algo grande se tornar alcançável? Simples METAS, estabeleci metas para mim, as aulas estavam para começar, era hora de começar dar a cara a tapa, e enfrentar a timidez e fazer a mesa virar, "que tipos de metas estabeleceu?, variavam de coisas bem simples a coisas bem complicadas, é válido citar algumas como por exemplo "Vou manter um small talk com todo mundo do primeiro ano pelo menos uma vez nesse primeiro mês", resultado, em duas semana eu tinha falado com TODOS os alunos do primeiro ano do meu turno, tive um leque de sentimento durante essa atividade, desde felicidade e conforto, até medo, insegurança sem contar as diversas gaguejadas e suadores, entretanto foi um aprendizado gigantesco para mim, com conhecimento de praticamente todo mundo pude me inserir num grupo (na qual me encontro até hoje) e quando não estiver com esse grupo, posso pelo menos, manter um small talk com qualquer um.
Segunda Meta: "Não recusar nenhum convite para sair, se eu tiver condições de ir", mark my words, inércia te joga para o fundo do poço pois é confortável, durante o primeiro mês (e até hoje) não recusei nenhum convite para sair, por mais cansado ou desanimado eu estava, eu simplesmente ia, sem pensar duas vezes, e com toda segurança posso dizer, grande partes dos amigos que fiz foi na mesa do bar, cada cerveja que descia minha timidez desaparecia, em essas oportunidades pude conhecer mais profundamente as pessoas do meu curso e conhecer outros grupos de outros grupos, talvez a melhor escolha que tenha feito no ano que passou para sair da inércia que me encontrava.
E a ultima que vale a pena citar, "Eu não sei o que eu gosto se não tentar": Usei isso como pretexto para entrar em TODAS atividades que estavam ao meu alcance na faculdade e fora, desde grupos de estudos, times de esporte, bateria, comecei aulas de violão e tomei coragem para terminar o Inglês. Outra decisão que me trouxe diversos benefícios, me estabeleceu muitos contatos, obviamente abandonei tudo que não me chamou atenção ou não consegui manter, porem finalizei o curso de inglês, continuo firme e forte no violão, e sou membro fundador e ativo do time de Cheerleader do meu curso. Tudo isso me obrigou a conviver e lidar com pessoas, passeis por diversas situações inusitadas e algumas complexas que nunca pensaria que passaria e fui obrigado a resolver, e nesse tipo de situação não há espaço para timidez, tive que colocar a cara a tapa diversas vezes, e depois de tudo isso, foi bom, um aprendizado sem igual sobre relações interpessoais (algo que venho ampliando no meu estágio voluntário).
Acho que é isso, pelo o menos sumarizando, a partir disso fui colocando em prática e absorvendo tudo isso no meu dia a dia e carrego isso até hoje, tudo isso me ajudou a me tornar uma pessoa equilibrada, muito menos tímido (apesar de existir um pouco, mas não atrapalha minha vida) e possivelmente me tirou de um inicio de depressão.
Se quiserem levar apenas uma dica de tudo isso, apenas digo: saia da inércia
Se alguém tiver alguma pergunta vou estar feliz em em responder
Sorry for the long post, here's a potato
submitted by Prismatta to brasil [link] [comments]


2017.12.28 17:57 brucewaynedosuburbio Oi, Reddit. Hoje me pagaram R$ 2 mil para stalkear e descobrir tudo sobre uma pessoa. Segue meu relato de como fiz isso :)

EDIT MAIS IMPORTANTE: não me desafiem :)
EDIT IMPORTANTE: galera, comecei a receber várias mensagens de pessoas interessadas e pedindo ajudaa para encontrar amigos e amores do passado. Eu não sou profissional nisso e fiz isso como hobby, não depositem suas fichas em mim não, rs.
E outra: vou viajar agora no Ano Novo e ficar um tempo fora. Então não devo responder mais nada por aqui por um tempo. Quando voltar, vejo mensagem por mensagem e se posso ajudar ou não.
Voltando ao post original
Eu trabalho com marketing digital e sempre fui bom em caçar pessoas. Fazia isso no trabalho direito a ponto de se tornar um hobby. Brotou um cliente novo? Eu usava meus recursos para descobrir tudo o que podia sobre ele: endereço, estado civil, mídias sociais, processos, relacionamentos e por aí vai.
Isso me fez descobrir coisas interessantes. Como uma pessoa que entrevistamos para o trabalho era um bolsominion expulso da Polícia Militar acusado de assassinato (surpreendentemente absolvido, apesar de tudo apontar contra ele e seus colegas e ter até matéria de jornal sobre isso). Que o novo namorado de uma colega de trabalho frequentava um fórum de acompanhantes e tinha um perfil fake para manter contato com as primas. Que uma funcionária daqui abriu uma empresa no nome do marido e estava usando informações privilegiadas nossas para concorrer conosco em pequenas licitações.
Minha fama acabou crescendo um pouquinho até chegar em um amigo de um colega de trabalho. A missão que ele me passou? Encontrar um amor dele do segundo grau. Achei meio obsessivo, mas o cara me disse que só queria saber como ela estava, como eles haviam perdido completamente o contato por terem se formado ainda nos anos 90, sem os benefícios da internet e tal. Ele tentou contratar uma firma de detetives, mas os caras não descobriram nada com as informações que ele passou. E ele ainda morreu uma grana boa com eles.
Ele veio falar comigo e pensei, por que não? Como nunca tinha feito isso na vida, ofereci receber APENAS se descobrisse alguma coisa, apesar de geralmente rolar um adiantamento nesses casos. Segue como fiz.
Disclaimer importante: nada aqui é garantia de que vocês terão algum resultado seguindo essas dicas. Algumas pessoas têm uma pegada digital ínfima por conta da idade ou da natureza de seus afazeres profissionais/acadêmicos.
Informações que recebi: primeiro nome, um dos sobrenomes, bairro onde a pessoa morava e supostamente ainda morava, uma foto dessa pessoa no fim dos anos 2000 em uma reunião de ex-alunos dessa escola. Ele também sabia que a pessoa em questão fazia aniversário em maio. Ele desconfiava que ela havia passado para algum curso de Letras de faculdade pública do Rio de Janeiro ainda no fim dos anos 90.
Primeira fonte: o Facebook: perguntei ao cara se ele conhecia alguém de confiança que morasse no mesmo bairro que ela. Ele tinha. Essa pessoa me cedeu sua senha e login no Facebook temporariamente para ajudar na busca. A combinação de nome + sobrenome que ele tinha não dava resultado algum. Provavelmente ela usava outro sobrenome.
Aqui eu tinha duas alternativas: a mais correta, que era pegar esses dois nomes que ele tinha e consultar o registro de aprovados no curso de letras nos anos que ele indicou (1998/1999) ou visitar a antiga escola dela. Seria o método mais fácil para descobrir o nome completo dela, mas também me tomaria tempo e gasto de ficar indo fisicamente nas universidades e na escola para consultar esses registros. Eu não queria tirar a bunda da cadeira, então foi na força bruta.
Eu chutei algumas dezenas de sobrenomes. Comecei calculando o numero de perfis que acessei numa única manhã e parei de contar quanto já estava na casa dos 200. Acho que estava na casa dos 300 quando encontrei pela foto.
Páginas curtidas, fotos curtidas pela pessoa: vamos chamar a pessoa de Karen. Karen tinha um Facebook bem monótono. Parcialmente fechado, com menos de 200 amigos e pouquíssima atividade. Isso é um empecilho fodido, mas vamos lá: com a user ID dela, você consegue checar as fotos que ela curtiu a partir do link https://www.facebook.com/search/INSERIR_NÚMERO_DA_ID_AQUI/photos-liked . Também acompanhei as curtidas dela.
Assim, descobri que ela era espírita e seguia as páginas de alguns centros espíritas. Nos comentários de fotos dela - as poucas abertas - vi pessoas mencionando encontrá-la no tal centro espírita, mas sem mencionar o nome dele. Chequei as fanpages de todos os centros e revirei as fotos dos eventos até descobrir que não só ela era membro assídua de um deles, mas também era médium de um deles. Consegui até para ele os horários em que ela atendia no centro.
Pelas páginas curtidas, também descobri um bocado sobre ela: que ela tinha um filho, que ela era espírita e de esquerda, que ela fora abandonada pelo marido. que seguia várias páginas de concurseiros, que gostava de ler literatura hot, que aparentemente sofria de depressão.
Nosso amigo Google: sabendo o primeiro nome dela, o sobrenome que esse cliente lembrava e o que ela usava no Facebook, juntei os três para fazer algumas combinações de pesquisa no Google. Sempre usando aspas e tentando fazer diferentes buscas.
"Karen" "Santos" "Amoedo"
"Karen dos Santos" "Amoedo"
"Karen Amoedo" "Dos santos"
Como eu sabia o ano aproximado em que ela nasceu e o suposto mês, jogava a data junto também com um dia aleatório: "13/05/198X".
Não demorou muito para rolar o bingo. Karen dos Santos Souza Amoedo, nascida em 24/05/198X. A informação veio na lista de aprovados de um concurso público de alguns anos atrás.
A partir daí, foi uma chuva de resultados. Descobri as exonerações e contratações dela em diferentes cargos federais e estaduais por conta dos Diários Oficiais, que ela foi assistente administrativa em uma faculdade daqui por alguns anos, passou em outro concurso e migrou para outra instituição.
A partir dos editais de cada concurso e o LoveMondays, identifiquei também o salário estimado que ela ganhava em cada um deles sem grandes dificuldades.
O Google retorna muita coisa boa. Registros em cartório, processos, empresas no seu nome, uma caralhada de coisa. Numa dessas buscas, encontrei o perfil dela no Youtube, que era aberto e tinha várias informações de coisas que ela gostava: hobbies, canais sobre depressão e espiritismo, plano de estudos para concursos públicos e por aí vai.
CPF é seu amigo
Hoje, é muito fácil no Brasil você consultar informações de pessoas por CPF em sites como o CC Fácil. Seu próximo passo então é descobrir o CPF da pessoa em questão.
Aqui é muito 8 ou 80. Muita gente tem o CPF largado pela internet por milhões de razões: alguma citação em ação judicial, diário oficial, burrice, uns bancos cadastrais que se encontram por aí. O meu, por exemplo, não está disponível em lugar algum.
No caso dessa pessoa em questão, jogar o "Karen dos Santos Souza Amoedo" (lembrando que o nome é fictício :) ) rendeu algumas dezenas de resultados e, num deles, havia o CPF da pessoa em questão. Fui lá eu no CC Fácil fazer a consulta.
Tem duas coisas SUPER importantes sobre o CCFácil:
O resultado? O endereço de casado dela, o atual endereço, o celular, o telefone fixo, alguns detalhes sobre a vida financeira dela.
A interpretação das informações: só nessa brincadeira aí já estava terminado o serviço, mas decidi ir mais a fundo e ver o que mais conseguia descobrir. Muita coisa é subjetiva e fruto de algumas migalhas de informação que a gente precisa interpretar, é quase como contar uma história mesmo.
Eu consegui acertar o perfil básico dela quase que por inteiro. A conclusão que cheguei foi que Karen casou-se com 20 e poucos anos, teve um filho e se separou em algum momento. Não consegui descobrir o nome do cônjuge, mas acho que poderia ter ido mais longe se recorresse aos cartórios da região. A depressão veio depois da separação, aparentemente com o filho ainda pequeno (hoje adolescente).
Pela descrição que ele me deu, ela parecia pouquíssimo religiosa nos tempos de escola. Concluí que a religião foi a forma que ela encontrou de enfrentar a depressão. Ela jamais exerceu a profissão pela qual se formou, se limitando a fazer vários concursos públicos para assistente administrativo, sempre mirando bem baixo. O salário mais alto da carreira dela foi R$ 2700~R$3100, já com as gratificações inclusas, pelo que consegui achar.
Ela conseguiu manter o peso após a gravidez, pelas fotos que encontrei. Mas a separação e a possível depressão fizeram ela engordar bastante. Ela também seguia várias páginas de comida orgânica e dietas saudáveis, mas não parecia estar fazendo muito efeito.
O que mais consegui?: liguei para a entidade pública onde ela trabalhava me identificando como funcionário dos Correios. Queria confirmar o endereço dela e a unidade daquela repartição onde ela trabalhava, já que era uma instituição bem grande. Falei que tinha uma encomenda no nome dela como endereço errado e que seria devolvido ao remetente, mas que aquele era o único telefone de contato. Nego se desdobrou e conseguiu me passar exatamente onde ela trabalhava e o ramal dela. Essa instituição tem várias unidades diferentes espalhadas pela cidade.
Queria confirmar o endereço que havia descoberto pelo CPF, mas também quis testar a ingenuidade dela. Dei outro endereço próximo no bairro em que ela mora, dei o nome do remetente como uma loja de apostilas de concursos públicos (com base nos interesses dela que escavei). Ela acreditou na hora e me passou o endereço certo, confirmando o segundo endereço que recebi na consulta da CC Fácil. Talvez o primeiro fosse dos tempos de casada.
Além disso tudo, com uma foto taggeada de uma amiga, descobri a escola onde o filho dela estuda. E que ele é meio geek/otaku (imagina se o cara tá no sub, hehe).
Acertei tudo? Da minha interpretação, só errei o espiritismo como válvula de escape para a depressão após o fim do casamento. Na verdade, o espiritismo foi a resposta que ela encontrou para a morte do pai há alguns anos.
Por que estou postando isso aqui?
Várias razões:
Sim, é meio creepy. Bem creepy, na verdade. Mas eu fiquei satisfeito com o resultado e espero que os dois se deem bem. E que ele não seja um psicopata ou mate ela, senão vou ficar com uma dor na consciência fodida. Mas pelo menos ganhei R$ 2 mil por basicamente um dia de trabalho :)
Vai funcionar comigo?
Aí vai um depende gigantesco, como eu disse lá em cima. Eu tenho uma vida bem ativa nas redes sociais e me recrimino por isso. É bem fácil saber bastante sobre mim e descobrir coisa sobre a minha vida. Mas a minha esposa, por exemplo, tem uma pegada digital mínima. Trabalha na iniciativa privada, em uma empresa pequena, não tem empresas no seu nome, não faz concursos públicos, não tem uma profissão que coloque o nome dela na internet repetidamente, não é chegada às redes sociais.
Se meu alvo em questão fosse a minha esposa, provavelmente eu não conseguiria porra nenhuma. Minha dica? Se vocês têm algo comprometedor e querem esconder, ou até simplesmente querem proteger sua privacidade, comecem a buscar essas informações sobre vocês disponíveis por aí e apaguem elas. Se você quer encontrar alguém, é só ser perseverante. A internet é um mar de informação.
submitted by brucewaynedosuburbio to brasil [link] [comments]